Stêvz mandou notícias ou: Música estranha para tempos selvagens

por em terça-feira, 4 outubro 2016 em

head_oinimigo
LinkedIn

Bandas-de-uma-pessoa-só existem e são fato consumado. Exemplos não faltam.  Agora, cena-de-uma-pessoa-só, até agora só conhecemos uma: Stêvz e o seu constante descarrego criativo via Chupa Manga Records.

No micro-selo, criado com o explícito propósito de escoar a produção própria, rola de tudo: só no mês passado o doido soltou – necessariamente fora de ordem – um bootleg ao vivo da sua banda “principal”, a Chapa Mamba;  um álbum novo de música eletrônica caseira; um single da paralela Quadrúpede Orquestra; experimentos de colagem sonora anti-golpe e as primeiras demos da Bagdá Mirim, banda nova com Daniel Villaverde (Ornintorrincos).

“Na real, estou gravando muita coisa diferente ao mesmo tempo, devo ter umas horas de material inédito, mas ainda não sei o que vai ser o que. Depende de onde encaixar melhor. Provavelmente vão aparecer alguns projetos novos também”, avisa Stêvz aos incautos.

Abaixo, ouça duas faixas da Bagdá Mirim – incluindo “Seu celular não liga pra você”,  liberada com exclusividade pr’O Inimigo – , e siga em frente pra sacar o que mais Stêvz anda aprontando, com comentários do próprio.

 

Bagdá Mirim
Bagdá Mirim é uma banda nova que estou montando aqui em Porto Alegre, com o lendário Daniel Villaverde na bateria. Essas duas faixas que soltei ainda são demos caseiras, o bagulho mesmo vai ser mais louco. Já temos umas 6 músicas prontas, a ideia é gravar um EP assim que possível. O problema por enquanto é conciliar a agenda de todo mundo, pra conseguir ensaiar, mas logo sai mais coisa.

Acabei soltando essas demos agora porque infelizmente falam um pouco sobre o momento do país. Não costumo me manifestar muito sobre questões políticas, nem ir em protestos, mas posso pelo menos fazer o que sei, que é música.

Stvz – Son of Computer Music

As “músicas de computador” surgiram, inicialmente, do exercício de experimentar com arranjos de algumas composições mais complexas. Eu já anotava trechos e ideias em forma de MIDI desde os idos de 2006, mas não tinha uma banda que pudesse tocá-las e também não conseguiria gravar tudo, então no começo ou a coisa emulava instrumentos de verdade ou era humanamente impossível. Só depois comecei a compor já pensando nos timbres eletrônicos em si, assumindo a estética da máquina, mas algumas faixas ainda considero estudos ou esboços de músicas que talvez possam ter outra encarnação algum dia. (p.ex. https://stevz.bandcamp.com/track/campo-sutil) Na real, acho que mesmo as faixas que já lancei até hoje ainda estão “em andamento”, não estão nunca prontas ou com uma versão definitiva. Esse álbum (e o anterior), apesar de ter música eletrônica, é meio inclassificável, acho. Não cai dentro de uma única categoria como “música dançante”, “noise” ou “experimental”, tem de tudo um pouco.

 

temer\/\/ave – $

O temer\/\/ave não chega a ser um projeto com planos para o futuro, surgiu de uma necessidade de exorcizar a atual conjuntura, depois de ouvir o discurso do nosso presidente na primeira reunião ministerial. Remixei essa fala e o primeiro pronunciamento televisivo em dois dias de obsessão metódica, sobrepostos ao tema do Jornal Nacional e ao hino nacional, respectivamente. Já me chamaram de petralha por isso, mas é só uma zoada merecida em cima do ego do Temer. Pra variar, o rei está nu.

 

Quadrúpede Orquestra – Por Favor Pare de Fumar (single)

O lema da Quadrúpede Orquestra é “devagar e sempre”, o que estamos seguindo à risca. Esse último single já é uma música antiga, mas só fomos terminar agora. Tem algumas outras em andamento, mas sem previsão.

 

chapaboot

Chapa Mamba – Live (Bootleg 2014-2015)

(Lançado em primeira mão para assinantes da newsletter da Chupa Manga, corre aqui pra assinar)

O compacto da Chapa Mamba via Lombra Records ainda não sabemos quando vai sair, esperamos que logo. Já está gravado e faz parte de uma série com outras 5 bandas, a Lombra Society Discos. Tem que pressionar o senhor Biu. Estou é querendo voltar ao Rio pra gravar mais umas coisas e rever o Bruninho e o Binho, devemos marcar uns shows por lá até o fim do ano, se tudo der certo. Fora isso, ando mexendo em algumas gravações de ensaios antigos, raridades, improvisos e ideias soltas que podem render alguma coisa pros aficcionados (risos). [Baixe aqui]

 

FAIXA BÔNUS:

Stano Sninský – Bežný Jedinec

Esqueci de falar também do Bežný Jedinec, um dos poucos lançamentos [do selo] em que não toco nada. O Stano Sninský é um cara genial e multi-instrumentista do leste europeu, que tive a sorte de conhecer pela internet. Além das 12 faixas do disco, tem muita coisa pra sair dele ainda. Estou planejando um compacto em tiragem limitada, e estamos fazendo algumas colaborações à distância.