Plebe Rude lança DVD e disco com músicas compostas entre 1981 e 1983

por em sábado, 30 junho 2018 em

LinkedIn

Das bandas de Brasília dos anos 80 a Plebe Rude é, seguramente, a minha preferida. Talvez pela sonoridade e letras mais voltadas ao punk, embora mais polidas que as das bandas paulistas do gênero. Dito isto, a banda apresentou, no final de 2017, um show em São Paulo, no Espaço Som, dirigido por Walter Abreu e Rapha Al, com produção do showlivre.com, em que rememoraram músicas compostas entre os anos de 1981 e 1983 e que, em grande parte, nunca tiveram registro oficial, além de algumas dos primeiros discos com roupagem diferente das que foram gravadas em estúdio.

A ideia partiu do Philippe Seabra (guitarra e voz), que após ver o lançamento do livro Meninos em Fúria, que possui como coautor, Clemente Nascimento (atualmente, guitarra e voz da Plebe e também componente da Inocentes), sentiu a necessidade de também resgatar suas memórias para um futuro livro – ainda em fase de produção. Juntamente com André X (baixo e voz), Seabra começou a buscar demos e gravações de shows raros, encontradas junto o jornalista Paulo Marchetti, e ao, além de jornalista, também pesquisador musical, Olímpio Cruz Neto.

A apresentação buscou reproduzir o ambiente de antigas casas noturnas onde a banda tocava. A introdução, “Cavalaria Rusticana” e as duas primeiras faixas “Nada (original)” e “Bandas BSB”, são interpretadas ainda em trio, sem Clemente, que só veio a se incorporar à Plebe em 2004, e neste show em algumas músicas participa somente nos vocais, outras na guitarra e voz. Participam ainda da apresentação Gabriel Thomaz e Erika Martins do Autoramas, também de Brasília.

Além da ambientação, nos intervalos entre músicas, Philippe Seabra e André X, componentes originais da Plebe, comentam sobre a criação dos instrumentais e curiosidades sobre as letras. Entre brincadeiras e piadas, falam ainda sobre o cenário punk, e rock em geral, de Brasília, além de passagens sobre a banda, como a primeira ida a São Paulo, onde foram recepcionados pelo próprio Clemente, que na época tocava no Inocentes, e conheceram o verdadeiro movimento punk, já que no distrito federal a coisa ainda era muito embrionária. Aliás, a gravação em São Paulo foi justamente para demonstrar a importância que a cidade teve para os componentes originais da banda que tocaram em casas como Napalm, Rose Bom Bom, Madame Satã e Tifon.

Ao todo são 17 músicas apresentadas no show ao vivo. Nove faixas inéditas, a exemplos de “Bandas BSB”, “Ditador”, “Gritos no escuro” e “Voto em Branco”. Entre as que foram gravadas, a maioria está nos dois primeiros discos “O Concreto Já Rachou” e “Nunca Fomos tão Brasileiros”, como “Sexo e Karatê”, “48 horas” e “Consumo”. A apresentação tem ainda uma versão de Disco in Moscow da banda The Vibrators (no disco tem a versão de estúdio). Todas as canções compostas no período de 1981 a 1983, em alguns casos eles até apresentam partes de como estas músicas foram compostas inicialmente até a versão de estúdio.

Este é, sem dúvida, um grande registro de uma das bandas mais importantes do rock brasileiro, que desde os anos 80 permanece produzindo, embora suas músicas atuais não cheguem à grande mídia, ótimos discos. Demonstra como os caras estão em uma grande fase com muito fogo para queimar. Aperte o play logo abaixo e veja o show no youtube.