Essa Tal de Gang 90 e Absurdettes

por em quarta-feira, 14 novembro 2018 em

LinkedIn

Essa Tal de Gang 90 e Absurdettes trata-se de um raro disco que faz uma transição da contracultura dos anos 70 para dos anos 80. O mentor desse disco foi Julio Barroso, jornalista e DJ.

No começo da década de 70 ele foi hippie, editou jornais alternativos e até viveu em comunidade rural. No final da década de 70, sempre antenado com as mudanças do mundo pop, Barroso, vislumbrava o surgimento de novos costumes e estéticas. Em 1979 Júlio passou uma temporada em Nova York que foi fundamental para o surgimento do conceito da banda e por tabela de todo rock nacional dos anos 80.

A ideia era unir o rock que estava acontecendo em Londres/Nova York com a música feita no Brasil e a atitude de fazer música não necessariamente com músicos. Quando Julio voltou ao Brasil, paralelo a sua atividade de DJ, montou a Gang 90 e Absurdettes com as garotas Denise Barroso, May East, Alice Pink Punk, Luiza Maria e mais uma banda de apoio com instrumentistas de diversas orientações musicais.

Em 1981 a banda participou com a música “Perdidos na Selva” em um festival que despertou interesse da gravadora RCA e gerou um compacto e posterior LP. O disco foi gravado por Júlio, fazendo vocais, com as garotas também como vocalistas, mais o multi-instrumentista Herman Torres como o único músico fixo. Trata-se de um genial exemplar do som new wave, com letras que falam de amor e delírios, sempre permeados de excelentes citações das referências culturais.

O álbum teve como hits radiofônicos: a música “Nosso Louco Amor” (que deu até título a uma novela global), “Telefone” e “Noite e Dia”. Muito além dos hits, o destaque vai para a canção “Jack Keuroac” onde a ótima letra faz referência explícita ao livro “On The Road”. Outra que chama muito atenção é “Românticos a Gô Gô” que elenca o nome de personalidades díspares que faziam a cabeça da turma: Cartola, B’52, Nietzsche, Oiticica, Xangô, entre outros que revelam que a Gang 90 ia muito mais além do que o chopp e batata frita da banda Blitz. “Eu Sei, Mas Eu não Sei”, versão dá música “I Know but I Dont Know” da banda Blondie, trata do jogos amorosos que permeiam nossas vidas malucas em brilhantes versos. Em “Spaced Out in Paradise” o clima pós-tropicalista dá tônica da letra em geniais versos modernistas: “Zoom navalha, corte um globo/Lâmina, luz, olhar/Desenhando um poema/Corpo nu, deusa lunar”. Fundamental!