Bratislava e Victor Rodrigues unem música e poesia em um EP denso e agradável

por em quinta-feira, 7 junho 2018 em

Bratislava e Victor Rodrigues - Credito Sérgio Silva
LinkedIn

A Brastislava uniu a personalidade do seu rock alternativo/experimental aos versos doces, porém, por vezes, obscuros e sussurrados, que narram crônicas do cotidiano emaranhadas a cenários, sentimentos e experiências do poeta Victor Rodrigues. A mistura não só deu certo, como criou um ambiente harmônico que soa agradável aos ouvidos como se a parceria musical já fosse de longa data.

O EP Aprender a morrer, lançado na última segunda-feira (4/6), traz cinco músicas que possuem Victor Rodrigues recitando seus versos em meio a instrumentais que criam um ambiente dramático que casa perfeitamente com as temáticas densas das letras. Em duas músicas o vocal cantado do outro Vitor, dessa vez o Meira, vocal original da banda, aparece, mas como um acompanhamento deixando o papel principal para o dono dos versos.

Em termos instrumentais, algumas músicas soam como um rap instrumental, mas sem perder o lado rock e experimental com algumas distorções de guitarras, e uma cozinha muito criativa.

A ideia da parceria é fruto de uma amizade que nasceu nos saraus de poesia marginal/independente de São Paulo há quase uma década entre o Victor poeta e o Victor músico. Se o primeiro sempre teve afinidade com a música, sem ter se envolvido com projetos musicais, o segundo, mesmo não sendo tão afeito ao modo como muitos poetas recitam, admite que sempre gostou da forma como o poeta desenrolava suas narrativas. Tal afinidade os fez pensar na parceria, ainda que de forma embrionária, em 2013, o que se tornou realidade somente agora.

Os cinco poemas recitados nas canções são parte do livro “Deuses fazendo bolo ou ingredientes pra nascer de novo”, livro recém-lançado do poeta. Se a parceria demorou tanto a sair, se mostrou um grande acerto. O terceiro trabalho da Bratislava é um ótimo disco para se apreciar tomando um bom café.

Foto: Sérgio Silva