Artistas Potiguares Anti-fascismo: Primeiro ato

por em terça-feira, 8 janeiro 2019 em

LinkedIn

O último domingo (06/01) marcou como o primeiro evento do grupo/movimento Artistas Potiguares Anti-fascismo. Surgido da necessidade de se articular, estudar, promover, divulgar e combater o fascismo por meio de arte, discussões, intervenções e tudo que for possível para enfrentar os dias sombrios que já se mostram desde o primeiro dia de 2019. O grupo poderia se chamar Músicos Potiguares Anti-Fascismo, já que foi criado por músicos do underground natalense. Mas essa não é a intenção. A intenção é que artistas de todos os segmentos agreguem, construam juntos. E não só artistas, qualquer pessoa que queira colaborar, somar, é bem vinda.

As redes sociais são uma ferramenta muito importante e o resultado das eleições aponta isso, principalmente pelo modo como elas foram usadas pra difundir as chamadas fake news. O que se viu foi a eleição de um candidato de extrema direita e que vem levando a sociedade a se organizar para resistir e combater as mudanças que não beneficiam a população em sua maioria, por mais que boa parte dela não perceba isso. Pelo menos ainda.

O evento foi realizado após quatro reuniões do grupo e foi alinhado com um evento nacional denominado Hardcore Contra o Fascismo. Evento que já havia sido realizado também nacionalmente durante a eleição de 2018. O que se viu foi um encontro de grupos, tribos, segmentos da sociedade distintos entre si. Com o intuito de conhecer, aprender e se divertir, é claro. Sendo assim estavam lado a lado jovens, idosos, policiais, universitários, roqueiros, motociclistas, músicos, escritores, professores e até curiosos que rondavam a área do Centro de Natal.

Aretha Melo e Juary Chagas abriram o evento dando um panorama histórico mundial e nacional sobre o fascismo, suas máscaras, maneiras de lutar, de resistir e mais que isso: saber dialogar para se fazer entender. Não adianta a violência (prática recorrente do governo atual e seus tentáculos). A luta tem que ser por meio do diálogo, mostrando ao próximo a necessidade da mudança desde já e, principalmente, o enfrentamento. Marie Marri aproveitou o microfone aberto e teceu comentários fortes sobre ação, deixando esse texto para reflexão. Já Pedro Paulo, da Polícia Civil, falou sobre a luta dentro da corporação e da pessoa que era Figueiredo, policial militar que foi assassinado no fim de 2018.

A literatura, a música, o cinema, o teatro, a dança, a arte como um todo, são formas de resistência porque mexem com o lúdico, com o imaginário de quem aprecia, faz pensar, refletir. E eis uma forma que esse governo deve atuar: combatendo a arte. Não é de agora que a arte crítica vem sendo combatida, com cerceamento, seja por meio de corte de verbas e extinção do Ministério da Cultura, como por meio de atacar diretamente autores, obras e espaços destinados a arte.

A escolha do Bar do Zé Reeira não foi a toa. Lá é um espaço destinado a cultura, principalmente ao underground, já que é um espaço aberto, gratuito, que permite a interação de diversos tipos de público. E apesar do evento ser denominado Hardcore Contra o Fascismo, o que se viu foram apresentações de rap com Jujux e Juk, rock com Heretic Prayer Bastard Kids, Morto e Torment The Skyes, Reggae e Ragga com a banda Dega. Todas com propostas distintas, mas um coisa em comum: o discurso anti-fascismo. Ainda teve rango vegano, banquinha com produtos independentes como camisas, bottons e discos e também livros da Expressão Popular.

Apesar de todos os shows terem sido ótimos, o destaque fica para Jujux que mandou suas rimas sem dj, emocionou e se emocionou. A intervenção em duas partes serviu como um expurgo contra o feminicídio, o machismo, as políticas contra a mulher e a discriminação velada do dia a dia. E o mais importante de tudo foi que em um domingo, em um horário cedo, muita gente compareceu para ouvir as falas de Aretha e Juary e saber que sair do mundo virtual é necessário o mais rápido possível. Formar ou se juntar a frentes anti-fascismo. A luta é e será cada dia mais necessária.

Fotos: Felipe Alecrim