A banda mais bonita da cidade

por em terça-feira, 31 maio 2011 em

LinkedIn

Você já viu o vídeo de “Oração“, da Banda Mais Bonita Da Cidade? Não viu? Tá vacilando. Até eu, que demoro muito pra ver essas novidades instantâneas da internet, já vi. Eles já estão dando o que falar em vários canais, sejam impressos, virtuais ou televisivos. E tudo tem seu preço, vamos ver o que será cobrado deles. Hoje não há maturação, as bandas, os artistas, são elevados a ídolos em horas. Pode haver um erro aí, e só o tempo dirá. Já vi comparação com Beirut. Certo. E onde está a Beirut? Depois do show no Coquetel Molotov, há um ano e meio, não ouvi mais falar. Será que os mesmos que estavam se descabelando, subindo nas cadeiras do teatro do Centro de Convenções de Pernambuco ainda escutam, ou lembram?

O bom é que mesmo não achando que são essa cocada de maracujá toda, eles tem sua importância. O vídeo que os colocou na mídia é uma sacada interessante. Inovador? Não. Cheio de efeitos especiais? Não. Uma letra sensacional? Não. Uma música estupenda? Não. A sacada é a tomada única (será que é mesmo?) pela casa com todas as pessoas entoando a oração ou mantra. Na minha opinião o vídeo poderia ter a metade da duração e já bastaria. Claro que nesses tempos de revoltas via twitter já surgiram vídeos parodiando e pessoas se estressando por causa desses vídeos. Ridículo.

Se você gastar alguns minutos na internet, no novo pai dos burros, o Google, vai achar alguns vídeos da tal Banda Mais Bonita. E legais também. Vejam como “Canção Pra Não Voltar Mais” é fofa. A banda não é ruim, isso é fato. Mais fato ainda é que a incursão por um som mais acústico, com instrumentos “diferentes”, com mais delicadeza é uma vitória. Se a molecada que gosta de Cine, Restart e adjacências gostassem deles… Mas são outros quinhentos. A banda é de Curitiba. E de lá vem outra bem legal, a Rosie And Me, que não tem essa repercussão. Falta fofurice em um bom vídeo.

A banda mais bonita de Natal chama-se Talma & Gadelha. Composta por Simona Talma, Luiz Gadelha, Henrique Geladeira, Cris Botarelli e Emmily Barreto. Todos músicos conhecidos entre si o que mostra um entrosamento incrível no palco, olhares, uma felicidade que realmente cativa quem está assistindo. Nada melhor do que a banda passar que está gostando do que está fazendo. O projeto – e essa palavra ainda não me agrada -, as letras, as músicas, o disco, tudo foi criado em dois meses e meio. Cria da cabeça de Anderson Foca para o Projeto Incubadora. Deu tão certo que uma tour já foi armada e dezenas de shows serão realizados. O Inimigo entrevistou a banda um dia antes do lançamento do disco em meio aos preparativos finais.

O resultado do disco é pop, como eles disseram que queriam na entrevista, já que o trabalho é uma mescla das influências dos cinco integrantes. O xis da questão é o hype que pude conferir de perto, se não me engano no terceiro show deles, no Circuito Ribeira. Hype comparado ao da Banda Mais… Aí tem os que viram a cara para qualquer hype e os que abraçam com força e não largam mais. Eu prefiro nem uma coisa, nem outra. Nem fiquei entusiasmado, nem frustrado. Prefiro esperar e ver no que vai dar. Já que, com exceção de Emmily, todos tem trabalhos autorais mais importantes do que a banda formada agora. Simona e Luiz Gadelha principalmente, trabalhos que gosto muito quando fazem sós. Simona canta com a alma seu blues, com força, com sensualidade. E Luiz é um belo letrista e cantor. Também teve outro projeto, lá vem ele de novo, chamado Onoffre. Que gostei mais do que o Talma & Gadelha. Na verdade gostei bem mais do show do grupo que do disco. Se vier um segundo, com mais maturação, mais tempo pra pensar, compor, escrever, acho que sai com mais “sustância”, como dizem no interior.

Algum tempo antes também entrevistamos Simona e ela falou do disco que estava sendo pensado, composto, ensaiado e em alguns momentos algumas músicas até tocadas em shows para testá-las. Espero que os shows do Talma & Gadelha não atrapalhem os discos de Simona e Luiz que estavam sendo pensados. Porque esses eu estou curioso em ver e ouvir. E no mais, é esperar passar esse hype, baixar a poeira e ver como tudo vai se adequar, acabar, continuar…

Em tempo: Talma & Gadelha estão com música no comercial da Rio Center do Dia do Namorados.

Foto: Divulgação